Até 85 % de desconto OFF na Black Friday

+ Domínio GRÁTIS por 1 ano

A oferta termina em:

02 :

17 :

11 :

43

Como Criar uma Marca: 6 Questões Para sua Empresa Alcançar o Sucesso

Como Criar uma Marca Questões Para Alcançar o Sucesso

Você tem algo que as pessoas precisam comprar (pode ser um produto ou serviço) e por isso quer saber como criar uma marca para lançar sua empresa de vez no mercado.

Se você tem uma pequena empresa, ter uma estratégia de marca é crucial para fazer seu nome no mercado. Você precisa ser notado e – o que é ainda mais importante – ficar na memória das pessoas pelas razões certas.

Mas não se engane: saber como criar uma marca de sucesso não inclui apenas elementos visuais.

Primeiro você deve pensar bastante sobre como você quer que as pessoas reconheçam sua empresa. Construa uma boa reputação.

E não tenha medo: criar uma marca de sucesso não é um privilégio reservado apenas para as grandes indústrias.

Vamos mostrar a você como criar uma marca na internet, do zero. Conheça as 6 questões que você deve desvendar se quer criar uma marca reconhecida e amada pelas pessoas.

Índice de conteúdos

1. Para quem você está vendendo?

Descubra imediatamente qual é seu público-alvo.

Você tem um ótimo produto para vender, então descobrir quem vai comprá-lo é uma questão de primeira importância. Do contrário, a estratégia que você criar para sua marca corre o risco de falhar.

Você provavelmente tinha um tipo de cliente em mente quando criou seu produto. E é difícil não ter, esteja você criando algo totalmente novo ou comprando produtos da moda para revender.

Esse é um ótimo primeiro passo, mas visualizar um cliente é uma tarefa com muitas etapas.

Não contenha a vontade de ficar um pouco obcecado em aperfeiçoar seu público-alvo. Ele vai ser a base da identidade da sua marca.

pessoa digitando informações do cartão de crédito no notebook

Descubra quem precisa de você

Quando você estiver pesquisando como criar uma marca bem-sucedida, vai encontrar muitas citações do Steve Jobs.

Faz muito sentido; aquele homem foi um gênio do branding mesmo.

Ele disse uma vez: “muitas vezes, as pessoas não sabem o que querem até que você mostre para elas”.

Isso pode até ser verdade, caso você seja um visionário que reinventou e redefiniu a tecnologia com seus produtos.

Mas caso você ainda não tenha chegado nesse nível, ou quer basear suas decisões em dados e evidências, pesquise sobre pesquisa de mercado.

Como um criador de marcas inovador, você terá que se perguntar algumas perguntas importantes antes de começar a definir qual será seu público.

Você não pode agradar a todos o tempo todo, então:

  • O que sua marca tem a oferecer para as pessoas?
  • Quer mais se beneficia com sua marca?
  • Por que as pessoas prefeririam sua marca e não as outras?

Estudo de caso

O Dollar Shave Club é uma marca americana de lâminas de barbear que acertou com precisão desde o início qual era seu público-alvo. Eles estavam entrando em um mercado super masculino com uma versão mais básica de um produto já conhecido.

Quem precisava da marca deles?

O produto resolvia um problema dos fundadores do Dollar Shave Club, então eles identificaram que o público-alvo seria composto de homens como eles. Criando uma identidade de marca bem-humorada e que dispensava discursos cheios de rodeios, eles atingiram a perfeição com a abordagem e o posicionamento da marca.

Notas sobre a estratégia de negócio pregadas em um quadro

Crie um perfil de consumidor

As marcas constroem e reconstroem os perfis de consumidor em vários pontos da sua jornada.

Ganhar novas informações e dados quando você já está no mercado há um tempo é de grande valor. Construir um perfil de consumidor enquanto você trabalha na criação da identidade de marca te faz começar com o pé direito.

Essa pode ser a diferença entre tentar atrair qualquer pessoa com barba e só depois perceber que seu público-alvo era, na verdade, as pessoas com barba e senso de humor.

Mapeie as características do público que você quer atrair. Pense em elementos como:

  • Idade, renda, estado civil
  • Nível de escolaridade, localização e hábitos de consumo
  • Interesses, estilo de vida e marcas preferidas

Conheça sua concorrência

grande e luminosa placa da Pepsi em frente a prédios

Independente de que pessoas sua empresa queira atrair, elas já vão ter suas marcas preferidas. Pode ser que as pessoas ainda não saibam que precisam do seu produto, mas de uma forma ou outra você terá empresas concorrentes.

Entender as afinidades de marca é fundamental para compreender seu público-alvo.

Para iniciantes, saber de quais marcas não-concorrentes seus futuros clientes mais gostam vai ajudar você a encontrar a forma certa de promover sua empresa.

Começar a lidar com seus competidores vão te dar uma ideia do que você precisa fazer para fazer sua marca se destacar no quesito identidade. Você pode encontrar qual será o diferencial da sua marca quando entender o que o resto das empresas já está fazendo.

Seu produto não precisa ser totalmente único se sua estratégia de marca for. Crie um documento em que possa visualizar quais são seus concorrentes e se pergunte:

  • Como a concorrência está fazendo marketing online e offline?
  • O produto deles é de qualidade? Observe os preços e as avaliações escritas pelos clientes.
  • As mensagens deles são consistentes? A identidade de marcas deles é clara?

2. O que torna sua empresa especial?

placa na porta dizendo "entrem, somos incríveis"

Você precisa dar aos seus futuros clientes uma razão para acreditar na sua marca. Não basta vender algo que as pessoas vão precisam – você precisa fazer que elas também tenham vontade comprar.

O visual bacana não pode ser o único atrativo da sua marca. Ser capaz de contar uma história e criar uma proposta de valor serão a base da marca.

Proposta de valor

Depois de ter investigado bem quais são seus concorrentes e de ter criado um perfil de consumidor, dedique um tempo para descobrir o que torna sua marca única.

Sua proposta de valor será a primeira impressão que sua marca causará, então capriche.

Não esconda sua proposta atrás de clichês ou sentimentalismos – seja objetivo. Você está escrevendo para seus clientes em potencial, então mostre:

  • Como seu produto pode resolver um problema ou atender a uma demanda
  • Quais os benefícios do seu produto
  • Porque as pessoas deveriam comprar seu produto e não o da concorrência

Observe as marcas por trás dos produtos que você usa no dia-a-dia.

Veja quais dessas marcas conseguem, com suas propostas de valor, expressar perfeitamente quais produtos ou serviços oferecem. Você não vai se surpreender – afinal foi isso que convenceu você a se tornar cliente delas.

A Netflix é um ótimo exemplo.

Quando a Netflix, uma marca muitíssimo bem-sucedida, evoluiu e começou a oferecer seu serviço de streaming, eles construíram uma proposta de valor muito clara e direta:

Filmes e séries ilimitados. Assista em qualquer lugar. Cancela a qualquer momento.”

Em poucas palavras, um cliente em potencial pode ver exatamente do que se trata o produto e saber que ele é conveniente e flexível.

A escolha inteligente de palavras também torna a proposta potente e intrigante: “o que significa filmes ilimitados?”, nos perguntamos.

pessoa apontando controle remoto para o logotipo da Netflix na tela da TV

Definição da missão

Depois de criar a proposta de valor, você estará mais preparado para definir sua missão.

Enquanto a proposta de valor explica sua marca para os clientes, a missão explica sua marca para você e para as pessoas que você contratar.

Crie uma missão enquanto estiver trabalhando no aperfeiçoamento da estratégia da sua marca. Dessa forma você garante que sua marca não perderá a relevância no longo prazo.

A missão ajuda a manter o foco em tudo que sua marca faz.

A Missão da Netflix é oferecer um serviço de alta qualidade para os clientes, lucros para os investidores e desafios para os funcionários.

Veja a fórmula para definir e escrever a missão:

  • Qual o propósito da sua marca?
  • Como sua empresa vai garantir isso?
  • Por que você escolheu atingir o propósito dessa forma?

Storytelling

placa pintada na parede dizendo"to be continued"

Tudo mundo tem uma história.

É ela que nos diferencia de todos os outros humanos do planeta, além de nos ajudar a formar conexões emocionais com os outros.

E isso é exatamente o que você quer para sua marca também.

O storytelling anda de mãos dados com sua proposta de valor: uma fisga o cleinte, o outro faz eles permanecerem.

Veja o exemplo da ótica Warby Parker.

A história divulgada pela marca compartilha qual foi o problema que seu fundador encontrou em sua própria vida e quis resolver.

Ela deixa bem claro que a marca atende uma dor, reitera a missão da empresa e declara seu comprometimento com uma causa maior.

Conseguir humanizar a identidade da sua marca contribui para criar crescimento duradouro dos lucros para sua empresa.

É da nossa natureza criar conexões com narrativas, então a história da sua marca não vai apenas conquistar a confiança dos clientes, mas também motivar os funcionários que vierem trabalhar com você no futuro.

  • Explique a razão da existência da sua marca. Mantenha a objetividade e relevância.
  • Mostre quais são os seus valores. Aponte o que diferencia sua marca das outras.
  • Seja transparente. Algumas das melhores histórias de sucesso mostram os altos e baixos da jornada.

3. Qual é a sua personalidade?

Chegou o momento de decidir como sua marca vai conversar com o público. Não importa se você está criando uma marca para uma empresa ou uma marca pessoal, em todos os casos elas vão precisar ter uma personalidade.

Assim como uma história, a personalidade humaniza sua empresa e ajuda a destacar sua marca em meio à concorrência.

Quando for criar a personalidade da sua marca, revise todas as etapas que já completou até aqui, desde a definição do público-alvo até a história que você escreveu.

mural dizendo"nós também gostamos de você"

Encontre sua voz

Em um futuro bem próximo na jornada da criação da sua marca, uma personalidade bem estabelecida também vai ajudar você a definir os elementos visuais da empresa. Mas antes disso você precisa decidir qual linguagem vai usar para conversar com seu público.

Afinal de contas, você quer que sua marca fale a mesma língua dos clientes que você se esforçou tanto para conquistar, não é mesmo?

Quando seu negócio começar a deslanchar, sua marca vai precisar a se comunicar de formas mais diretas com os clientes. É crucial que o tom de voz da marca esteja alinhado às expectativas dos clientes.

  • Pense sobre quais adjetivos melhor descrevem sua marca. Confiável? Bem-humorada? Exclusiva? Escolha quatro ou cinco palavras.
  • Imagine sua marca como um personagem. Assim como os logos e a linguagem visual, isso vai ajudar você a dar um rosto para a marca.
  • Pense sobre quais plataformas sua marca vai usar para se comunicar com os clientes. Que linguagem você deve usar nessas plataformas?

Veja só o exemplo da rede de fast-food americana Wendy’s. Ela foi fundada há mais de 50 anos e, mesmo assim, a personalidade da marca se mantém muito jovial.

O Wendy’s foi fundado sob três princípios: qualidade, preços acessíveis e conforto. Muito simples e acessível, não?

O tom de voz que marca usa é bem informal. Para descrever seus sanduíches, o Wendy’s costumar fazer trocadilhos com ditos populares, por exemplo.

Brincar com palavras e fazer referências à cultura popular deixa bem claro que o tom de voz da marca é jovial e despojado.

foto da fachada de um restaurante Wendy's a noite

Atraia seus clientes

Se você quer que sua marca atraia um público mais velho e afluente, usar muitas referências a memes provavelmente não vai surtir o efeito desejado.

Você já definiu detalhadamente o perfil do seu cliente em potencial, então leve esse perfil em conta quando for criar a personalidade da sua marca. Não tente simplesmente imitar seus clientes, mas seja alguém com quem eles podem se identificar.

O cliente da Rolex é profissional, organizado e rico. Incorporando características  que esse cliente entende bem, a personalidade da Rolex transmite competência.

Para descrever seus produtos, a Rolex usa frases como “atenção escrupulosa aos detalhes”.

A marca trabalha para atrair pessoas que admiram um design bem-feito e não gostam de enrolação na divulgação do produto. Os relógios são “clássicos”, “distintos” e “prestigiosos”.

Ativa em nove plataformas, a Rolex sabe que seus clientes usam muito a internet. A marca adotou um tom de voz simples, para que pudesse ser usado da mesma forma em todas as plataformas.

  • Os adjetivos que você usa para descrever sua marca poderiam ser usados para descrever seus clientes também?
  • A personalidade que você criou faz justiça à sua marca? Pense na impressão que as pessoas terão de sua empresa.
  • Como seus clientes vão querer interagir com sua marca? É como você imaginou?

Escolha sua plataforma

mão segurando um celular mostrando perfil de uma empresa no Instagram

Se você valoriza seu tempo livre, provavelmente não vai querer fazer como a Rolex e criar perfis em nove redes sociais diferentes para sua empresa.

Dito isso, para criar uma marca de sucesso você vai ter que estar presente nas redes sociais de alguma maneira, sim.

As mídias sociais possibilitam que seu negócio se conecte com os clientes de forma instantânea e direta, então pense sobre quais plataformas atendem melhor o público que você quer atrair.

Vamos voltar para o exemplo da rede de fast-food Wendy’s, porque a estratégia de marca deles é tão divertida que vale a pena mencionarmos duas vezes neste texto.

A marca é muito ativa no Twitter, onde interage com clientes em conversas hilárias. As conversas podem parecer exageradas se pensarmos no quão delicada pode ser a estratégia e reputação de uma marca na internet, mas a conta do Wendy’s no Twitter se mantém o mesmo estilo de comunicação da marca em outras plataformas.

Essa estratégia de interação tão informal não funcionaria bem se o site da marca fosse sério e inspirador. Todo mundo pensaria que o estagiário de social media ficou maluco.

Quando estiver criando a persona da sua marca, fique atento a esses elementos:

  • Quais plataformas combinam mais com sua marca. Você provavelmente vai querer estar presente em mais de uma para capturar a atenção do maior número de pessoas possível.
  • Como você vai manter a consistência. Você deve conseguir manter o mesmo estilo de linguagem em todas as plataformas o tempo todo.
  • Como será o visual da marca. As descrições e textos das postagens nas redes sociais vão combinar com suas fotos e sua logomarca?

4. Qual é o seu visual?

Pegue papel e lápis.

Muita gente costuma pensar que essa etapa é a primeira do processo de construção de marca. Criar os elementos visuais é a parte mais divertida da criação da estratégia.

Mas agora que chegamos finalmente a esta etapa tão esperada, você não está contente de já saber como criar a estratégia?

A logo pode ser a parte mais marcante da sua identidade de marca. Algumas logos são tão icônicas, que só o formato delas já diz tudo sobre a empresa que elas representam. Veja só o exemplo dos arcos dourados do McDonald’s, por exemplo.

Existe muita psicologia por trás dos componentes visuais de uma marca. Logo, cores, fontes, etc – construir a identidade da sua marca pode ser muito científico se você quiser.

Quando estiver criando, leve em consideração todas as decisões que você tomou nas etapas anteriores e que já fazem parte da sua estratégia de marca.

batatas fritas na embalagem do McDonald's sobre uma mesa vermelha

Logo

Seu logotipo vai aparecer em todos os lugares onde sua marca estiver presente, e por isso é um componente importantíssimo da sua empresa. Sua logo estará em seu site, seus produtos, no seu cartão de visitas: é assim que sua marca vai se espalhar pelo mundo.

O design da sua logo merece (e exige) tempo e talento.

Se você não for do tipo criativo, terceirize a criação da sua logo para alguém que seja.

Mas não perca o foco e a força de vontade que você vem empregando até aqui. Crie um briefing listando as partes mais importantes da estratégia da sua marca.

Você deve garantir que esse símbolo visual da sua marca represente a personalidade, história e valores que você definiu.

Também garanta que sua logo seja um emblema com o qual seus clientes possam se identificar, e que ela atraia e convença o público. Lembre-se:

  • Sua logo deve ser escalável. Você pode adaptar facilmente a logo do seu site para usá-la em seu perfil do Instagram? Ela não pode ter nenhum elemento muito pequeno que fica ilegível quando a imagem é diminuída.
  • Ela deve representar seu produto ou serviço. Faça seu logotipo combinar com sua empresa.
  • Garanta que ela seja única. Essa dica vai parecer óbvia, mas copiar logo de outras marcas vai prejudicar você.

Mesmo que sua empresa seja pequena, aprenda com as grandes marcas do mercado: adotar o  estilo “menos é mais” vai fazer sua logo ser reconhecida mais facilmente pelas pessoas.

Um design simplista também ter a vantagem de poder ser usado em muitas cores diferentes e ainda ser reconhecido pelo público. Pense no símbolo da Nike, por exemplo.

Uma curiosidade: o logo icônico da Nike foi criado pelo aluno de um dos fundadores da marca, que pagou $35 pelo trabalho e nem pensava que o símbolo faria tanto sucesso assim. Phil Knight disse que não amou o logotipo, mas aprendeu a gostar dele com o tempo.

tênis vermelho da Nike com plano de fundo vermelho

Cores

Agora teremos uma convidada especial para esta seção: a ciência.

Muito já foi falado sobre a ciência por trás das cores. A paleta de cores que você escolher pode mesmo impactar muito a impressão que sua marca cria nas pessoas.

É sabido que as cores provocam respostas emocionais. Isso não impacta apenas sua logo, mas todos os elementos visuais da sua marca: seu site, as etiquetas dos produtos e até as lojas físicas, se você as tiver.

A paleta de cores deve ser escolhida com o público-alvo em mente, assim como em todas as decisões que você toma sobre sua identidade de marca. Algumas dicas para aperfeiçoar sua paleta de cores:

  • Pesquise o significado das cores. Amarelo pode representar felicidade. O vermelho é cheio de anergia e paixão. Encontre a cor certa para sua marca.
  • Não se esqueça do consumidor final. Se sua empresa tiver uma personalidade divertida, escolha cores claras. Se você quiser conquistar confiança, escolha tons neutros.
  • Faça combinações. Não pinte tudo da mesma cor. É melhor ter um espectro de cores para combiná-las da melhor forma.

Fontes e tipografia

pilha de blocos de tipografia em vários tamanhos e cores

Leve seu branding a um novo patamar usando a fonte certa na sua logo e produtos.

A tipografia que você escolhe para sua marca é tão importante quanto o logotipo e as cores. Já imaginou pagar um bom dinheiro para ter uma logo maravilhosa e criar uma paleta de cores convincente e marcante, mas estragar tudo usando Comic Sans?

Faça uma pesquisa sobre fontes: você vai encontrar várias que podem ser usadas de graça e outras que podem ser compradas. Você até pode contratar um designer para criar uma fonte sob medida para sua empresa.

Na internet você poderá achar guias muito informativos sobre como acertar em cheio na escolha fonte.

Assim como as demais escolhas de design, mantenha em mente todos aqueles princípios que você já estabeleceu para sua marca.

Estamos parecendo um disco arranhado? Pode até ser verdade, mas você vai ver que vale a pena levar em consideração:

  • Se a fonte combina com sua logo. Principalmente se você escolheu usar uma fonte pronta.
  • Se a fonte está alinhada com a personalidade da marca. Pode parecer que estamos sendo pedantes, mas uma fonte angulosa e capitalizada, por exemplo, provavelmente não vai combinar com uma persona delicada e coloquial, concorda?
  • Se sua fonte está parecida demais com a da concorrência. Isso pode gerar constrangimentos.

5. Você é consistente?

Já falamos da importância de manter um diálogo consistente – afinal, você quer ter a mesma personalidade em seu site e no Twitter. Os mesmos princípios podem ser aplicados ao visual da sua empresa.

Seu branding – conjunto de elementos visuais que fazem parte da estratégia de marca – deve ser consistente.

Uma mensagem visual mais bem pensada vai mostrar ao público seu profissionalismo e, além disso, ajudar as pessoas a reconhecerem sua marca mais facilmente.

seleção de anúncios da Coca-Cola pregados em uma parede de madeira

Defina as diretrizes da marca

Desde já, crie um guia com as diretrizes da sua marca. Assim como a sua missão, esse guia vai ajudar a proteger a integridade do que você construiu.

Acha que criar um guia é meio exagerado para uma pequena ou micro empresa?

Um guia vai ajudar você e outras pessoas (como futuros funcionários) a contextualizar a identidade de sua marca. Faça uma breve pesquisa e observe que qualquer marca interessada em proteger seu trabalho de branding tem um guia contendo as regras e diretrizes de seu design.

Um guia eficaz vai instruir as pessoas a:

  • Não alterarem a logo. Algumas marcas podem até ter logotipos secundários (como uma versão em preto-e-branco da logo original colorida), mas nunca deixe que sua logo seja redimensionada, alargada, nem reconfigurada.
  • Usarem sempre a mesma fonte. Lembre-se de descrever no guia qual o tamanho de fonte deve ser usado, qual a paleta de cores e todos as outras decisões que você tomou sobre o design da sua marca.

Vale a pena fazer um guia que seja curto e direto ao ponto. Você pode cobrir muitos detalhes em algumas poucas páginas apenas.

A Cruz Vermelha americana deu um passo além quando criou o guia com as diretrizes da marca e fez um pôster para garantir que todo mundo entendesse bem as informações.

Achamos que a parte do pôster que trata do tom de voz da marca, por exemplo, deveria ser usado com mais frequência por outras empresas também. Sabemos que a personalidade é uma parte muito importante da sua identidade de marca, então vale a pena falar sobre ela no seu guia de diretrizes.

A Cruz Vermelha Americana aponta que “como falamos é tão importante quanto o que falamos”. Em quatro parágrafos curtos e objetivos, o pôster mostra com muita eficiência os princípios que guiam a marca.

mesa coberta de demonstarções de paletas de cores

Encontre um estilo para as fotos

Uma forma rápida e eficiente de promover sua empresa é usando fotografia. E isso vale para empresas que vendem produtos e também para as que prestam serviços.

Você já sabe da importância que a mensagem visual tem para seu negócio, então não deixe a fotografia de lado – ela é uma parte do branding que exige consistência.

O estilo de fotografia que você escolher para divulgar sua empresa deve (você já sabe) estar a par com a personalidade que você está desenvolvendo. Garanta que todas as postagens nas redes sociais combinem com o estilo do conteúdo do seu site também.

Rechear o perfil da sua marca no Instagram com memes não é tão mal visto em 2020. Mas se sua marca for a Rolex não vai funcionar.

Veja alguns pontos para considerar quando for escolher o estilo certo de fotografia para sua marca:

  • Qual será a opinião do consumidor final? Conteúdo muito conceitual pode não agradar muito um público interessado em assuntos profissionais, por exemplo.
  • O estilo de fotografia combina bem com o produto sendo vendido?
  • Fotografia é o melhor formato para você? Talvez você prefira trabalhar com ilustrações ou misturar fotos e ilustrações.

Acredite na marca

loja da Prada isolada no deserto do Texas

Pense no futuro e na longevidade da sua marca.

Um dos passos finais da sua jornada de criação de uma marca consistente é fazer um bom planejamento do que está por vir.

Mesmo que você esteja só no começo da jornada da sua empresa e não consiga prever o futuro, você ainda pode fazer uma estimativa certeira.

Se você parar para pensar, todas as etapas de criação de marca que vimos até aqui já são uma forma de planejar o futuro da sua empresa. Então assim que você estiver satisfeito com a estratégia de marca criada, crie seu guia com as diretrizes de marca e tire um tempo para refletir.

Identidade é tudo que ajuda a diferenciar sua marca das demais, mas Imagem é algo criado através do trabalho de marketing.

Você quer ter certeza de que a imagem da sua marca vai fazer justiça à sua empresa quando você der os próximos passos no lançamento do seu negócio. Se pergunte:

  • Minha marca e meu branding têm espaço para evoluir?
  • Tenho uma estratégia eficaz para manter a imagem da marca?
  • Eu acredito na minha marca? Se você não acreditar no que disser sobre o seu próprio negócio, vai ser difícil convencer outras pessoas a acreditar.

6. Você deveria ter uma marca pessoal?

Você está preparado para ser o representante da sua empresa?

O conceito de marca pessoal não agrada a todos. Ter uma marca pessoal exige uma capacidade aguçada de filtrar as próprias palavras e ações, assim como saber técnicas para influenciar a impressão que as pessoas têm de você.

Esteja preparado para falar em público e pensar no longo prazo.

Marcas pessoais são ótimas para quem faz o tipo empreendedor: artistas, autores, criadores de conteúdo…

Às vezes a marca pessoal de alguém está ligada a uma grande empresa: é o caso da Oprah, Steve Jobs, Elon Musk, e Richard Branson.

pessoa apresentando palestra para uma multidão

Agora que você entende bem como criar uma marca para sua empresa, você pode aplicar esses mesmos elementos para criar uma marca de sucesso para si mesmo.

Se você está pensando em criar uma marca pessoal, veja se essas ações estão alinhadas com sua forma de pensar:

  • Se responsabilizar por suas ações. Tanto as boas quanto as ruins, você não pode fugir dessa responsabilidade.
  • Estar sempre presente na internet. Além de um site, escolha as plataformas certas e lembre-se de que seu conteúdo e atividade nas redes é mais importante que seu número de seguidores.
  • Storytelling. Você precisa saber exatamente o que está oferecendo ao público e se tornar o mestre do convencimento.

Uma marca pessoal pode funcionar muito bem para uma empresa de pequeno porte. Se você já é conhecido no mercado, use as informações deste texto para atingir um novo patamar na sua carreira.

Um dos benefícios inesperados (mas ótimos) de ter uma marca pessoal é a flexibilidade que ela traz.

Com um modelo de negócios mais tradicional, pode ser um pouco difícil mudar de direção. Por exemplo, digamos que uma loja vende sofás e de repente decide começar a vender roupas, alienando a clientela.

Por outro lado, com uma marca pessoal, seu público-alvo está interessado em você. Eles confiam na sua opinião e ideias como indivíduo, então se você quiser mudar de direção, sua audiência vai te seguir.

Escrito por

Avatar do autor

Jeisy Monteiro

Faça parte da conversa

Seu email não será publicado. É obrigatório preencher todos os campos.